terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

DUAS PAIXÕES: Chocolate e vinho


Um bolo de chocolate que não é para crianças, e sim, adultos amantes de vinho e chocolate. Estas duas paixões somadas igual à um bolo gostoso e cheio de sabor.

Ingredientes:
2 copos de farinha de trigo;
1 colher de sopa de fermento em pó;
1 copo de óleo
1 copo de vinho tinto de qualidade, pois o que sobrar...beba!
4 ovos;
2 copos de açúcar;
1 copo de chocolate em pó.

Modo de fazer:
Em um liquidificador coloque os seguintes ingredientes e bata bem:
1 copo de óleo;
1 copo de vinho tinto;
4 ovos;
2 copos de açúcar;
1 copo de chocolate em pó.

Coloque o líquido que você bateu no liquidificador em uma tigela com a farinha de trigo e o fermento vagarosamente e misture bem.
Separe uma forma grande de buraco no meio, unte com margarina e polvilhe farinha de trigo.
Despeje toda a massa na forma.
Pré aqueça o forno, coloque o bolo no forno que deverá estar na temperatura de 180°.
Vai demorar mais ou menos 45 minutos para ficar pronto, mas certifique-se com um palito se está pronto.
Quando isso acontecer, desligue o forno e retire o bolo.

Deixe esfriar para desenformar, sirva com uma taça de vinho.

Se desejar, faça uma calda de chocolate simples: 
Coloque pedaços de tablete de chocolate amargo, manteiga sem sal, 1/2 colher de chá de sal, 1/2 xícara de açúcar em uma tigela em banho-maria e me mexa por 5 minutos, retire do fogo e acrescente 1/2 copo de vinho. Deixe esfriar por uns 10 minutos para engrossar.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

CANÔNICO: Vinho da missa

O vinho Canônico é o vinho utilizado pelos padres nas missas da igreja Católica. O vinho deve ser, obrigatoriamente, branco ou rose. A proibição do vinho tinto é uma questão bem religiosa, pois se o vinho pingar na toalha ou na roupa do padre essas peças não poderão ser lavadas, pois não se lava o "sangue de Cristo". Diante deste impasse, eles optam por vinhos claros que não deixam as manchas tão evidentes. Não se trata, claro, de qualquer vinho, pois ele segue instruções rígidas do Vaticano.
O artigo de número 50 do documento Redemptionis Sacramentum, lançado em 2004 pelo Papa João Paulo II, estabelece: “O vinho que se utiliza na celebração do santo Sacrifício eucarístico deve ser natural, do fruto da videira, puro e dentro da validade, sem mistura de substâncias estranhas. (…)Está totalmente proibido utilizar um vinho de quem se tem dúvida quanto ao seu caráter genuíno ou à sua procedência, pois a Igreja exige certeza sobre as condições necessárias para a validade dos sacramentos. Não se deve admitir sob nenhum pretexto outras bebidas de qualquer gênero, que não constituem uma matéria válida. ”

O vinho canônico costuma ser uma bebida licorosa e doce que recebe adição de álcool etílico. O elevado teor alcoólico e a grande concentração de açúcar cumprem a função de conservar o produto por mais tempo, já que o vinho tem um consumo lento, pois é consumido um pequeno volume a cada missa, e precisa durar mais tempo na garrafa.
No Brasil, entre os rótulos mais conhecidos destaca-se o Vinho Canônico, produzido e comercializado pela Vinícola Salton, que começou a vinificar vinhos para missa há mais de 70 anos. Os primeiros exemplares foram feitos sob encomenda de um padre espanhol que solicitou à empresa, localizada em Bento Gonçalves, que produzisse um vinho de missa semelhante ao que ele estava acostumado a usar na Europa, ou seja, mais licoroso e doce.
Para sua vinificação são usadas as variedades Moscato (50%), Saint-Emilion (40%) e Isabel (10%), o resultado é um vinho licoroso e rosado com uma graduação alcoólica de 16º GL.

Muitas são as referências e analogias do vinho no cristianismo. Assim como Jesus, que foi crucificado, morto e ressuscitou no terceiro dia, a videira também remete seu ciclo de vida a uma simbologia do sagrado: ela perde sua folhagem e no inverno hiberna como se estivesse morta e renasce na primavera para dar o fruto que será fermentado e transformado em vinho. A Bíblia tem várias alusões a esta bebida secular. Noé, logo ao descer no Monte Ararat, plantou uma videira para fazer vinho e embriagar-se. O primeiro milagre de Jesus, segundo os Evangelhos, foi transformar água em vinho em Caná, na Galiléia. Na Santa Ceia, Cristo celebra o pão como seu corpo e o vinho como seu sangue, o ritual que é repetido em toda a missa para celebrar a nova aliança do Senhor com os homens.
A união entre a civilização ocidental, o cristianismo e o vinho é histórica, e tem início com a conversão do império romano a esta corrente religiosa. O resultado é que grandes e tradicionais produtores do vinho, como a França, Portugal, Espanha e Itália, que sofreram influência do Império Romano, são países de forte tradição cristã. A história brasileira também está marcada, desde o descobrimento, pela necessidade do cultivo das videiras em função das missas que os jesuítas celebravam no início da colonização. No livro Presença do Vinho no Brasil de Carlos Cabral, tem um trecho: “Na frota de Cabral se rezava missa todos os dias. Tinha que ter vinho. O Brasil foi colonizado por católicos fervorosos. Para isso era preciso ter vinho sempre. E assim a bebida foi sendo implantada na terra dos tupiniquins. ”

Adorei a história do vinho canônico, mas o vinho...
No aroma, tem cheiro de suco de uva com álcool. O sabor é de suco de uva misturado com um pouquinho de vinho do Porto. 
Valeu pelo aprendizado e pela experiência. Mas não pelo gosto do vinho, mas se quiserem experimentar custa em média R$ 30,00.



quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

TINTO VERANO: Ideal para os dias quentes

Esta bebida popular na Espanha, especialmente no verão, se chama Vermelho verão ou Tinto verano é refrescante, aclamada pelos turistas e moradores, feito com vinho tinto, uma ótima dica para relaxar nestes dias de calor de 40 graus.  Muito fácil de fazer.

Ingredientes:

1 garrafa de vinho tinto;
1 litro de refrigerante soda, limão ou água tônica;
2 limões sicilianos e
Açúcar e gelo (opcionais).

Modo de fazer:

Para não precisar de gelo, use o vinho e refrigerante previamente gelados. Primeiro, esprema o limão e retire o sumo, se desejar, coloque açúcar.  Depois adicione o litro de vinho e refrigerante ao suco de limão em uma jarra. Misture bem todos os ingredientes. Sirva gelado acompanhado com uma fina rodela de limão.


Uma dica: O vinho não precisa ser de reserva, mas utilize um vinho de boa qualidade. 

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

CHOURIÇO: Vinho e chocolate

Ahhh, os famosos doces portugueses! Este tradicional doce da cozinha portuguesa conhecido como chouriço ou salame de chocolate, tem duas versões: o infantil e o adulto.
Escreveremos sobre o tipo adulto, é uma receita que todos gostam e muito fácil de fazer. É salame, mas é doce, leva:  Chocolate, bolacha, manteiga, ovos e vinho do Porto. Você também poderá colocar nozes, amêndoas, avelãs e até a nossa castanha do Pará.

Ingredientes:
200 g de açúcar;
200 g de chocolate em pó;
150 g de margarina;
Biscoito tipo Maria;
3 gemas e
1 cálice de vinho do Porto.

Modo de fazer:
Derrete-se a margarina e junta-se o chocolate, o açúcar muito bem batido anteriormente com as gemas e mistura-se tudo muito bem.
Junta-se o vinho do Porto e vão-se misturando os biscoitos partidos grosseiramente.
Forma-se um rolo com a ajuda de papel de alumínio ou papel vegetal e vai ao frigorifico.

Se usar papel alumínio, coloque a parte mais brilhante para dentro.
Sirva em rodelas.

Bom Apetite!

sábado, 18 de fevereiro de 2017

TÍPICO URUGUAIO: Vinho Medio y Medio

A bebida alcoólica típica de Montevidéu no Uruguai, em geral, é o Medio y Medio ou meio a meio. Ela deve seu nome a ser a mistura de um vinho espumante doce com um vinho branco seco. Para alguns gostos, sabor e textura são semelhantes a cidra, mas este é, sem dúvida, uma bebida com sua própria identidade. 

Agradável e refrescante vale à pena ir ao Mercado del Puerto em Montevidéu e tomar no balcão, sem pressa. Se bem que poderá ser encontrado em qualquer supermercado por um preço bem acessível. 

A marca mais famosa é o Roldós que está no Mercado do Porto desde 1888, atualmente esta marca produz a adega Bruzzone e Sciutto com um corte de branco Moscato, vinho espumante e Pinot Blanc. O Médio tradicional é feito de vinho branco, mas hoje já é encontrado garrafas com vinhos rosados e tintos.


Seu preço aproximado é de R$ 30,00, já se consegue comprar em algumas importadoras no Brasil.  Excelente para beber em um papo informal ou apenas apreciar o tempo passar.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

TRADIÇÃO TRANSMONTANA: Coelho ao vinho

Uma forma simples de fazer coelho vem de uma região delimitada ao norte pela Espanha, Alta Beira ao sul e Minho e Douro Litoral a oeste, é a região de Trás-os-Montes, uma das mais belas regiões de Portugal. Sua rica história, em que se sucederam as influências dos povos celta, romano e árabe, e suas tradições foram preservadas.
Esta receita é Coelho à Transmontana, que poderá ser feito com vinho branco ou tinto, e melhor, não dá trabalho e fica saboroso.

Ingredientes:
1 coelho;
3 dentes de alho;
1 colher de chá de páprica;
1 folha de louro;
1 ramo de salsa;
300 ml de vinho tinto ou branco;
Sal e pimenta à gosto;
Azeite e
1 cebola grande.

Modo de fazer:
Corte o coelho em pedaços e tempere-os com os dentes de alho picados finamente, a páprica, a folha de louro, um ramo de salsa, o vinho tinto, sal e pimenta. Deixe marinar de um dia para o outro.
Aqueça o azeite em uma panela, junte o coelho escorrido (reservando a marinada) e deixe corar bem. Acrescente a cebola cortada em meias luas e deixe cozinhar até que fique douradinha. Regue com a marinada e deixe cozinhar durante 20 minutos.
Experimente para ver se precisa de mais tempero e deixe cozinhar por 30 minutos em fogo muito baixo.


Sirva acompanhado de batatas cozidas e um vinho tinto médio Português.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

CABRITA: Um bom vinho do Algarve

O Vinho Cabrita Tinto, provém da pitoresca Quinta da Vinha, propriedade da família Cabrita, é um vinho frutado e equilibrado, um dos melhores da região de Algarve, Portugal.

Sua cor rubi vermelha encorpado, seu aroma intenso frutos vermelhos secos envoltos de notas de especiarias e toques  florais, seu sabor elegante e com bom volume e aromas prolongados.

O seu perfil aromático "é muito dominado pela touriga nacional e tem uma frescura e uma estrutura bastante impressionantes".

Suas castas são: Aragonez, Trincadeira e Touriga Nacional.
Harmoniza bem com carne, peixe assado no forno e queijos. 

Vale experimentar, todavia não encontrei no Brasil, mas em Portugal estava aproximadamente 10 euros, vale o custo benefício.




terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

MELOCOTONES: Pêssego ao vinho

Uma sobremesa com sabor de Mediterrâneo, poderá ser servida tanto quente como fria.  Em Sevilha, Espanha, tradicionalmente servida na sobremesa do jantar.

Ingredientes:

4 a 6 pêssegos maduros, mas firmes;
Suco de limão;
Meio litro de vinho tinto (boa qualidade);
1 xícara de chá de água;
Canela em pau;
1/2 xícara de chá de açúcar;
6 fatias de limão.

Modo de fazer:

Descasque os pêssegos e esfregue os com o suco de limão. Prepare a calda em uma panela grande, coloque o vinho, água, canela, açúcar e 3 fatias de limão. Deixe ferver e cozinhe por 15 minutos em fogo baixo. Acrescente os pêssegos e cozinhe em fogo baixo por 20 minutos.  Deixe os pêssegos se impregnarem com a calda durante toda a noite, à temperatura ambiente.
Retire as frutas da calda e reserve. Ferva a calda em fogo alto até reduzi-la a 1 xícara de chá. Deixe esfriar completamente.


Sirva os pêssegos inteiros ou cortados em gomos acompanhados por sorvete de creme ou iogurte grego. Enfeite como desejar.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

TONS DO DOURO: Um vinho equilibrado

Tons de Duorum é inspirada nas cores brilhantes que resultam da reflexão do sol sobre o Rio Douro, criando tons diferentes nas vinhas. 
Sua cor rubi intensa, com tonalidades violetas. Seu aroma é intenso de frutos vermelhos, como o morango, amora e framboesa. Na boca é seco, tem boa acides e taninos muito suaves e maduros, bem envolvidos no seu corpo e volume. Este vinho tem frescura, suavidade e elegância. 

O resultado de uma interação única entre natureza e esforço humano. Feito de uma mistura de Touriga Franca, Touriga Nacional e Tinta Roriz.

Tons de Duorum é um vinho versátil, harmoniza perfeitamente com carnes vermelhas, pratos grelhados, massas e queijos.


Seu valor aproximado é de R$ 55,00.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

ANTEPASTO: Cebola ao vinho


Esta receita de entrada é simples e fácil de fazer, contém um componente fundamental, o vinho, também poderá servir como tempero.

Ingredientes:
Cinco cebolas brancas pequenas; 
1/2 garrafa de vinho tinto seco;
Sete ou Oito folhas de manjericão picado;
Dois galhos de alecrim picadinho;
Dois alhos poro pequenos picados em rodelinhas;
Sal;
Pimenta vermelha;
Uma colher de sopa de farinha de trigo;
Água.

Modo de Fazer:
Descasque as cebolas e faça cortes na parte de cima. Em uma tigela coloque todos os ingredientes, menos a farinha de trigo e a água. Deixe por uns 40 minutos pegando o tempero, depois coloque em fogo baixo e cozinhe por uns 30 minutos, a cebola ficará suave. Coloque a farinha de trigo já dissolvido em água, se desejar engrossar o molho.

Pode se comer acompanhando um simples arroz ou temperar uma salada.


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

BANANA NADA SÓBRIA: Ao vinho tinto


Uma sobremesa fácil, simples e gostosa: Banana frita ao vinho.

Ingredientes:

5 Bananas Grandes;
150 g de Açúcar;
Canela em pau;
200 ml de Vinho Tinto;
200 ml de Água;
Açúcar e Canela para polvilhar e
Manteiga.

Modo de fazer:

Cortar as bananas, ao meio, na vertical. Colocar no fogo em uma frigideira com manteiga e fritar aí as bananas. Retirar e reservar.
Numa outra panela, pôr o açúcar, a água, o vinho e a canela em pau até obter o ponto de calda.

Regar as bananas com este preparado e polvilhar com canela e açúcar.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

DA TOSCANA: Um vinho equilibrado

Carpineto Dogajolo Rosso é um vinho da região da Toscana na Itália, bem aromático e excelente para beber de forma bem descontraída com os amigos. Suas uvas são: Sangiovese (70%), Cabernet e outras variedades (30%).

Sua cor de um rubi com reflexos violáceos. Já seu aroma é de frutas vermelhas frescas, com toque de café, folhas secas, baunilha e especiarias, como canela e cravo. Seu sabor é frutado, com acidez presente, bom corpo e taninos firmes, seu final é seco.

Se harmoniza bem com: Filé à parmegiana, paleta suína recheada, risoto de bacon com tomate seco e rúcula, mignon ao molho madeira e purê e arroz de forno cremoso.


É um vinho bem equilibrado, seu valor aproximado de R$ 70,00. Vale a pena degustar!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

TEJO: Berço de interessantes vinhos

Produzido na região do Tejo, mais um vinho interessante, o Capoeira Tinto, suas uvas são a Castelão e a Cabernet Sauvignon.

Este vinho apresenta uma cor rubi intensa, seus aromas complexos de frutos vermelhos bem maduros com notas florais e de compota. É um vinho fresco, muito vivo em seu aroma. Na boca, apresenta uma textura agradável, revela um sabor suave, frutado, complexo e rico, com final aveludado e persistente. A estrutura é sutil, rica, elegante, com evidência de fruta madura, e taninos muito suaves. 

É um vinho de estrutura mediana, num conjunto muito equilibrado e apelativo. Revela um sabor suave, frutado, complexo e rico, com final aveludado e persistente.

Ideal para acompanhar pratos de carne, grelhados, queijos e pastas.

Seu valor aproximado de R$ 30,00.